12 de fevereiro de 2018

P[ÓDIOS]

Sou uma Uva Passa, mas não sou assim tão velha, e por não ser assim tão velha é que tenho invulgar lembrança de coisas que grande parte das pessoas já se esqueceram.
Tendemos todos para a bulimia nervosa aplicada à informação cibernética, porquanto nos saciamos das polémicas virtuais tão vorazmente, que só vomitando tudo cá para fora é que conseguimos assimilar mais qualquer coisa de novo.
Na maior parte dos casos não há efetivamente nada de novo. São sempre as mesmas coisas, o longo bocejo da repetição, a mesquinhice, as inseguranças de quem se vê no pódio demasiadas vezes - por coisa nenhuma, os arrufos sacrossantos do clickbait levados ao exponente máximo da humilhação pessoal, os recadinhos de bastidores, o veneno e a displicência pela inteligência dos outros.
É triste, sobretudo porque os verdadeiros pódios da vida são concretizações pessoais e individuais e são, atrevo-me a dizer, conseguimentos íntimos que se bastam por si só e não carecem nem de aplausos e nem de dentadas em medalhas.
Tenho grande respeito por quem sobe aos pódios a pulso, lembrando sempre a velhinha expressão do self made Human, pessoas que são ao mesmo tempo brilhantes e humildes, que partilham os méritos e guardam para si as falhas [também dos outros].
Por ser uma Uva Passa, mas não ser assim tão velha, é que me lembro que em 1995 - quando renhidamente se votavam os Óscares de Hollywood - o filme «Forest Gump» e o ator Tom Hanks arrecadaram, respetivamente, melhor filme e melhor ator.
Foi realmente invejável a quantidade de fãs que o filme e o ator vieram a ter, impulsionados pela grande industria carneirófila que papa tudo o que é 'hit' do momento.
Nessa mesma competição estava o filme «Condenados de Shawshank», com Morgan Freeman no principal papel, que [é incrédulo!] não ganhou absolutamente nada.
A verdade é que a história é cruel para quem ocupa falsos pódios.
«Condenados de Shawshank» é atualmente um dos títulos mais vendidos no mercado de DVD e Blu-ray, ultrapassando em muitos milhares de milhões de cópias vendidas, o vencedor insofismável da competição de '95.


Eu confio, e espero, que todas as pessoas que assistem em primeira, segunda ou última fila os "conseguimentos" dos outros, saibam ver, e avaliar, com grande rigor, se quem ocupa atualmente certos pódios é verdadeiramente merecedor dos mesmos.
Não só por uma questão de justiça! mas para que depois não lhe venha a história dizer, na sua irremediável soberba, que passaram grande parte das suas vidas a ver o filme errado.

A Abraham Lincon é atribuída a frase:
«Pode-se enganar a todos por algum tempo; pode-se enganar alguns por todo o tempo; mas não se pode enganar a todos todo o tempo.»

6 comentários:

  1. "Sou uma Uva Passa, mas não sou assim tão velha, e por não ser assim tão velha é que tenho invulgar lembrança de coisas que grande parte das pessoas já se esqueceram."

    Como faço parte da pequena parte de pessoas que nunca esqueceram dispenso te ler
    e se queres saber

    Se não me lês
    porque hei-de eu de o fazer
    se ambos temos a memória em dia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tenho memória de um post teu que adorei ler, já que falas nisso.
      Já li milhares de coisas tuas mas aquela que escreveste há uns bons 5 anos atrás ficou-me.
      E é engraçado isso, porque de cada vez que me lembro de ti é como se visse o rapazinho.

      Eliminar
    2. 5 anos à frente é que não podia ser... bahhhhh

      Eliminar
  2. Respostas
    1. Olha quem é ela!!! Então pah? Que tens feito?

      Eliminar