30 de abril de 2018

AS RENDAS, OS TURISTAS E OS IDOSOS

... ou 'O Monstrengo' de Fernando Pessoa, como queiram.

Portugal, em tendo emergido das profundezas da decadência do 'mercado' de arrendamento, dizem que por conta da Lei de Cristas, vê-se agora paralisado num momento de absoluta cobardia.
Tal como o poema, que decerto ficou na memória de muitos, parece que os proprietários, agora sim, esperançosos de se verem ressarcidos dos investimentos imobiliários que fizeram lá nas calendas do finado XX, a uma família que calhou alugar-lhe a casa por 300 escudos, passa de bestial a besta e transforma-se agora numa espécie marinha qualquer, dessas muito monstras, que trazem na testa uma frase assim: "Sou um Povo que quer o mar que é teu".

Na minha humilde opinião, os proprietários não querem coisa alguma, nem tão pouco afogar os inquilinos que pagam dois tostões para navegar essas águas. O que querem é justiça, que, como se vê, tarda e é falha.

Não é natural que o congelamento das rendas - que é, em primeiríssima instância, o grande motor desta grande e putativa explosão -, seja agora novamente proposto para resolver a questão da selvajaria no arrendamento e no preço das casas.
Foi o congelamento das rendas que deixou os proprietários na falência, sem capacidade, deixando a propriedade sem obras por conta de uma lei totalmente injusta.
Oiço desde sempre histórias escabrosas de pessoas a passar sérias dificuldades e, no entanto, proprietárias de prédios inteiros no centro de Lisboa, com rendas congeladas nos 30 escudos.
 
As histórias que oiço agora, igualmente escabrosas, não o são tanto como as de antigamente. Os inquilinos que se 'apoderaram' das casas cujas rendas eram inferiores aos contratos com a MEO, puderam fazer uma vida muito mais desafogada do que os outros que se viram compelidos a comprar casas com recurso a hipotecas maiores que o Mostrengo do poeta, precisamente porque o mercado de arrendamento só servia para alguns, nomeadamente os que chegaram primeiro.
E agora que estas pessoas - os malvados e monstros proprietários das casas compradas com empréstimos à taxa Euribor - decidem finalmente arrendar, querem novamente cortar-lhes as pernas e controlar-lhes as rendas para nutrir um mercado habitacional à míngua desde o velhinho PER.

Eu acredito muito no Estado-Providência e quero crer que os iluminados do semicírculo não irão ("para controlar o mercado") colocar à disposição das novas 'carências habitacionais' os fogos que são de outras pessoas, ainda que devolutos. Se querem realmente ajudar, então disponibilizem o património do Estado, que criem subsídios para colmatar a subida das rendas a quem realmente precisa, que deixem de julgar o mercado do Alojamento Local como bode expiatório, quando na verdade esta cidade (e o país) têm crescido quase que apoiados no turismo que dorme nestes alojamentos. 

Uma lei sem contrapartidas que congela mais uma vez as rendas para proteger, por exemplo, quem tenha 65 anos e viva na casa há mais de 25, é uma lei altamente injusta para quem tem inquilinos dessa natureza.
Quais são as intenções do Estado? Transferir a sua responsabilidade, uma responsabilidade que está consagrada na Constituição como sendo do ESTADO, para os privados? Então são os privados o novo Estado-Providência da nova Lei de Bases da Habitação?

Sendo o Mostrengo uma personificação do Cabo das Tormentas, ou melhor, das forças naturais que tornavam tão ardilosa a sua travessia, é mais que sabido que para os que ousaram pensar numa atualização das rendas, ou pelo menos numa ajudinha na taxa liberatória (de 28% ) para colmatar 'qualquer coisinha', ainda não viu a força do Mostrengo Socialista, porquanto só agora é que percebeu que para recuperar o seu imobiliário das mãos das Helenas Rosetas da vida, vai ter mesmo de lutar como gente grande.

E quando isto rebentar tudo, o que gritará o povo?
El-Rei D. João Segundo!

IRS 2018

Oh yes I do!

29 de abril de 2018

SURPRISE!

Sim, ainda não vimos tudo.
Sim, tens razão. O essencial é invisível aos olhos.
O que importa aqui superiorizar é que o invisível aos olhos, essa arte de cada um [também em viver], aquilo que pensamos, aquilo que sentimos e aquilo que necessitamos de exteriorizar, não seja depois capaz de abrir [aquelas] feridas nos outros.
A arte nunca matou ninguém.
Já aquilo que é invisível aos olhos, de uma certa forma, pode ser realmente aquilo que não queremos de todo ver.
Há gente muito feia por dentro.
E isso vê-se por fora.











By: Monica Cook - https://www.monicacook.com

28 de abril de 2018

NA GRAMÁTICA [como na vida]


“Alguns nomes têm uma significação diferente se os encontrarmos no singular ou no plural.
O miolo, os miolos (cérebro); a ânsia, as ânsias (náuseas); o género, os géneros (alimentares, mercadorias); o ar, os ares (clima).”  ---  Maria Regina Rocha: Gramática de Português, Porto Editora.

Lembra-me muito o futebol, as claques e as Assembleias Gerais da Liga.
Individualmente são uns mocinhos de coro; na turba demoníaca e assarapantada, vivem em cavernas e lambem o próprio ranho.  

MUSICA PARA LER BLOGS

É como que percorrer as letras sobre o frémito das batitas.
Tum-tum, tum-tum, tum-tum...
Não existe melhor no mundo do que uma música que faz um percurso infinito, dentro do mesmo coração.

Air - TwentyYears 
(Spotify needed)

Amour, Imagination, Rêve ('Amor, Imaginação e Sonho')
É assim que devemos ler blogs.

FRUTA PODRE


No dia 22 de julho de 1946, lia-se na capa da Time “Portugal’s Salazar: Dean of Dictators”`*.
Faria hoje 128 anos se não tivesse caído de uma cadeira, tal como cai a fruta podre.
Salazar foi sal e azar.
Fascismo nunca mais!

* Salazar  proibiu a venda da revista durante os  seis anos seguintes, após ter recolhido todas as edições que ainda estavam por vender.

25 de abril de 2018

VAMOS FALAR DE LIBERDADE [e de barrigas short rent]

Amanhã vai a plebe comunista desfilar os cravos na lapela.
Gostava muito de ouvir uma pessoa qualquer, dessas que são entrevistadas pelos jornalixos de fim de semana, escalados para fazer a cobertura das manifestações e das maratonas, responder um coisinha mais original do que que 'estou aqui para celebrar a Liberdade'.
Gostava mesmo.
Gostava que alguém fosse capaz de dizer que estava ali para celebrar a Constituição de 1976, por ter sido o documento fundador da democracia.
Mas não. A maioria das pessoas nem sabe que o Movimento dos Capitães, os tais que salvaram a pátria, só se encanitaram com o Regime Salazarento por razões corporativas, daquelas que tão bem definem a nossa mole de cidadãos: a inveja; a inveja de ser possível aos oficiais milicianos a integração na vida militar mediante um mísero cursinho intensivo na Academia Militar, onde eles, os Capitães, tinham estudado durante anos. E pronto, foi isto, uma guerra de capoeira, uma assunção de superioridade entre os pré-Bolonha e os pós-Bolonha dos militares do Antigo Regime.
E amanhã lá vai a plebe comunista desfilar na Avenida de cravo na lapela.
Eu gostava que alguém se lembrasse de dizer para 'as televisões', que o CDS, esse farol da liberdade dos direitos e garantias do mofo e da naftalina, foi o único que em 1976 votou contra a Constituição, porque empreendeu não embarcar num texto que privilegiava o 'exercício do poder pelas classes trabalhadoras', mas que afinal estava ligado pelas veias ao um acordo com o MFA [Movimento das Forças Armadas] precisamente na defesa dessa classe trabalhadora.
Isto é extraordinário.
Enquanto andávamos todos a tentar lamber as feridas do PREC da esquerda radical, a tentar apanhar os cacos da maravilhosa 'renovação na continuidade' do não menos salazarento Marcelinho do Catano, sem que eclodisse uma guerra civil, como veio a acontecer em Angola e Moçambique, houve um alguém, desses que também desfilam de cravo na lapela na Avenida, que votou contra o documento fundador da democracia em Portugal, o mesmo que em 1982 criou o Tribunal Constitucional (TC),  exatamente o mesmo orgão que serviu de bengala ao CDS para travar a fundo nas barrigas de aluguer.

Vamos falar de Liberdade?

24 de abril de 2018

O LIXO DOS OUTROS II

Quando em 2014 resolvi escrever sobre o lixo dos outros, atirei, com ares de superioridade, um post para a cara de alguém que me pareceu realmente imundo.
A imundice é uma característica que se pega a certas pessoas, de tal modo que por vezes até pensamos que já nasceram assim, sujinhas, andrajosas, infernais.
O inferno são quase sempre os outros comparativamente ao céu que somos nós, os impolutos, os sistemáticos, os adaptados.
Mentira.
O inferno somos sempre nós, com as nossas nojices, os nosso microbiozinhos mentais incapazes de conviver com as bactérias dos outros, porque na nossa cabeça, este grande hospedeiro que é o mundo, é sempre pequeno demais para albergar a tanta porcaria que conseguimos produzir.
E se há coisa que conseguimos produzir, essa coisa é 'a porcaria'.

E o mais engraçado é que se formos muito bons nisto, também conseguimos deixar os outros feitos em merda.








Mandy Barker is an international award winning photographer whose work involving
marine plastic [http://mandy-barker.com]


 [O lixo dos outros I]

21 de abril de 2018

FELICIDADE INTERNA BRUTA [FIB]

Aposto os meus dentes da frente em como a maior parte dos meus leitores nunca ouviu falar nesta temática.
Felicidade Interna Bruta é um conceito maravilhoso, usado por pessoas de verdade, para definir o que é afinal importante desenvolver num país (local), para que a Humanidade (global) seja cada vez mais completa e satisfeita.
Surge no Butão em 1972 como resposta a críticas mesquinhas e desconstrutivas de países vizinhos, acusatórias de uma economia miseravelmente sustentável por parte dos butaneses.
O Butão, o país da felicidade e dono de um misticismo único e abrangente, decide reverter a critica e criar uma nova forma de definir 'economia sustentável'.
Qualquer país materialista, que identifica pessoas com números e que se preocupa unicamente com os aspectos quantitativos do resultado do trabalho de todos, é um país longe de ser prazeroso, pelo menos não tanto como são os países que descolam as pessoas de conceitos frios e materialistas como são os 'produtos'.
As pessoas não são produtos, os recursos não são humanos, o que interessa é desenvolver [e mensurar] os aspetos qualitativos de um determinado grupo, em vez de avaliar o que determinado grupo é capaz de produzir.

Aposto os meus dentes da frente em como a maior parte dos meus leitores vive uma Felicidade Externa [muito] Bruta, que provoca uma Infelicidade Interna [ainda mais] Bruta.
Aposto mesmo todos os meus dentes em como muitos leitores pensam em si como produtos das condições adversas de uma Infelicidade Bruta e como Recurso Humano para a Felicidade Interna Total de outras pessoas vizinhas.

Confesso que toda a infelicidade que sinto é por efetivamente ainda ter os meus dentes todos.